sábado, dezembro 31, 2011

Adeus ano velho...



De repente, num instante fugaz, os fogos de artifício anunciam que o ano novo está presente e o ano velho ficou para trás.

Daqui a poucas horas 2012 vai chegar, mais um ano novinho para sonhar, para viver, para mudar... Acho incrível como o ano novo contagia as pessoas com esperança e alegria, é como se todos os nossos sonhos se renovassem.  Nasce um desejo enorme de mudar o velho, de deixar para trás o que não nos serve mais.

Foi contagiada por estas energias positivas que comecei a fazer um balanço do ano que passou. Fiz uma análise para saber se o ano foi bom ou não, o que fiz de errado e onde acertei. Descobri  aquilo que quero mudar, aonde devo melhorar e olhei para os sonhos que quero alcançar e... tomei minhas decisões de ano novo, o que para mim foi muito válido porque elas nasceram dessa reflexão.

O balanço do meu ano foi bom, apesar de ter enfrentado muitas dificuldades (a maioria criadas por mim). Minha decisão de ano novo é AGIR, simplesmente agir. E para este ano que está chegando eu tenho um grande pedido a fazer: Por favor 2012, seja bom comigo.

Feliz ano novo a todos!

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Primeiras mudanças

Amanhã completa dois meses que fiz a cirurgia. Eliminei 22 quilos, saí do manequim 56 para o 48, até a numeração do meu calçado mudou. Tudo isso é uma benção, é algo extraordinário perceber como meu corpo vai mudando aos poucos, ganhando algumas curvas, aparecendo uns ossinhos, mudando tanto em tão pouco tempo. No meu caso, acompanhar essas mudanças é surpreendente porque sempre fui gorda e nunca tinha visto meu corpo assim.  É uma sensação tão diferente, e acontece tão rápido que às vezes assusta.

Eu tinha prometido a mim mesma não comprar roupas nos primeiros meses, afinal, de alguma maneira ia perde-las muito rápido. Mas não tive outra alternativa, as minhas estão enormes e as calças não cabem mais, ficam caindo. Então fui a uma loja e experimentei calças tamanho 48, todas couberam  e eu fiquei de boca aberta. A única coisa estranhei um pouco foi que todas as calças são de cós baixo, e eu não tinha este costume, só usava calças "centro peito". 

Fazer uma cirurgia assim tem suas recompensas, é uma poderosíssima ferramenta de transformação, mas também tem suas dificuldades. Com 60 dias ainda não consigo comer direito, e acho isso uma ironia porque há pouquíssimo tempo atrás meu problema era parar de comer. Mas tudo isso é adaptação, e cada corpo leva seu próprio tempo para se adaptar a uma nova condição.

domingo, novembro 20, 2011

Primeiro antes e depois

Hoje completou o primeiro mês de gastroplastia. Foi um mês de muitas conquistas e também de muita superação. Eliminei 14 quilos e me sinto feliz, mas também tenho consciência que estou no início de uma longa caminhada que exige muita dedicação e superação. Sonhar é acordar-se para dentro. Obrigada, Senhor!



quarta-feira, novembro 16, 2011

Calculando a porcentagem do peso eliminado

Vi este cálculo numa comunidade no Orkut, achei bem legal. 

Exemplo: operei com 88 quilos, após 7 meses estou com 57. 
Calculando a porcentagem :
57 (DIVIDIDO) POR 88 (MENOS) 1 = - 0,3522 ( despreze o sinal negativo)
ASSIM, PERDI 35% DO MEU PESO EM 7 MESES.



Não consigo comer... que ironia.


Situação mais irônica esta, não consigo comer. Estou com 25 dias de operada e sinto uma dificuldade enorme para comer. Tem dia que meu estômago está tranquilo, come quase tudo (de acordo com a dieta pastosa), mas na maioria dos dias simplesmente não consigo comer. Quando ele amanhece mais enjoado eu encontro dificuldade até nos líquidos.

As pessoas me dizem que é assim mesmo, que com o tempo vou me acostumar e eu me conforto com estas palavras. Eu sabia que passaria por estas dificuldades, espero que esta fase passe logo e meu estômago fique mais tranquilo e menos enjoado.

Cetose


Depois de 15 dias voltei na nutricionista, as coisas estavam um pouco difícil para mim. Eu não estava conseguindo acompanhar a evolução da dieta que deveria começar com a ingestão de 100ml, passar para 150ml e depois estacionar em 200ml. Mas os dias foram passando e eu só conseguia ingerir os 100ml. E como se não bastasse isso,  meu estômago não estava rejeitando os caldinhos, não conseguia ingerir-los, me deixavam enjoada por horas, me sentindo mal mesmo.

Foi visitar a nutri e mal me sentei comecei com as reclamações. Reclamei que estava com um terrível mau hálito, que estava envergonhadíssima, que não importava o quanto eu escovasse os dentes ou fosse cuidadosa ele estava lá, sempre presente me torturando. Reclamei que só conseguia ingerir  os 100ml, que demorava um tempão nisso e não estava conseguindo tomar os dois litros de água que ela recomendou diariamente. Também reclamei da urina que estava  escura e com um cheiro forte. 

Ela me escutou e me disse que eu estava num processo chamado cetose. Explicou que isso acontecia com alguns pacientes e que quando estamos neste processo o cheiro do nosso corpo fica mais forte, sentimos isso no hálito, na urina, na transpiração mas que eu deveria me esforçar mais para ingerir os dois litros de água e prescreveu suplementação.

Saí do consultório mais aliviada, e em poucos dias percebi que ela tinha razão, a suplementação e a água fizeram que estes sintomas desparecessem e meu hálito voltou ao normal, a urina também, Graças à Deus. 

segunda-feira, outubro 31, 2011

Humor


Quem tem medo do... dreno?

Sete dias depois da cirurgia fui retirar o dreno. Estava muito receosa, achei que ia doer. Eu tinha esta impressão porque o dreno incomoda demais, muito chatinho. Mas não doeu nadinha, super tranquilo. Cinco dias depois eu deveria voltar para retirar os pontos.

Em casa



Chegar em casa foi uma delícia. Não precisava mais andar com "soro" pendurado no braço, nem tinha ninguém me acordando a cada quatro horas para me medicar. Dormir na minha cama novamente foi o melhor remédio, dormi a noite toda. 

Na manhã seguinte eu já tinha uma rotina para seguir, uma rotina que exigia de mim disciplina, coisa que nunca tive muito na minha vida. Horário para acordar e tomar a medicação, tomar café-da-manhã, ingerir uma quantidade de água para evitar a desidratação, etc.  

Aos poucos vou me acostumando com a nova rotina, apesar de ainda estranhar muito como eu demoro para ingerir 100ml de líquido (é quase uma eternidade). Aos poucos começo a conhecer alguns limites do meu corpo, a me adaptar, a criar um hábito. Um hábito diferente dos que eu tive durante todos os meus 29 anos. É difícil? Sim, muito.  Mas é uma escolha e esta deve ser consciente. 

Não tenho queixas a fazer, os resultados começam a aparecer (já não tomo remédios para hipertensão arterial) e isso me motiva muito. O caminho não é só flores, na vida nem tudo é flores.  Mas a cada dia percebo que este novo caminho é infinitamente melhor do que eu trilhava antes.

No quarto


No quarto eu me senti mais animada, podia receber visitas. E recebi algumas que me deixaram muito feliz. Fiquei no quarto três dias. No segundo dia foi liberada para mim a dieta líquida de prova. Foi muito bom tomar água, mas a água de coco não desceu de jeito nenhum. Então, trocava por chá. Não podia suco, nem gatorade, só água, chá e água de coco. Não sentia mais dores, nem enjôo. Mas eu comecei a pensar como seria minha vida quando eu chegasse em casa. Como eu enfrentaria este novo desafio. No domingo, quando tive alta eu já sabia que uma nova vida estava me esperando.

sábado, outubro 29, 2011

O não tão doce despertar


Eu não tinha ideia de quanto tempo havia passado. Eu ouvi algumas pessoas falando comigo ao longe, muito longe. Eu estava muito enjoada. Depois de algum tempo, que eu também não sei dizer quanto, eu escutei a voz do meu irmão. Tentei abrir os olhos mas via tudo embaçado, como uma bruma branca, não via nada direito.

O enjôo não passava e comecei a vomitar novamente, mas, não saia nada. A dor que eu sentia não era uma dor insuportável, era pouca dor, mas o que incomodava é que ela era uma dor constante, não parava nunca. 

Depois de "vomitar" umas três vezes eu apaguei novamente. Quando acordei não estava mais enjoada, só sentia a dorzinha incomoda. Desta vez eu consegui enxergar tudo e vi uma enfermeira no quarto. Perguntei a ela aonde eu estava, ela disse que eu estava a UTI. Perguntei que horas eram, ela respondeu que eram quase 18h. Disse para ela que estava com dor e ela chamou o médico da UTI.

Gente, nos meus 29 anos de vida eu nunca, nunca, nunca, nunca encontrei um médico tão amoroso na minha vida. Humano mesmo. Eu reclamei que estava com dor e ele me explicou que era assim mesmo, que estavam me medicando e que um pouquinho de dor eu ia sentir naquela noite.  Sempre ele passava no meu quarto, me perguntava se eu estava bem e conversava um poquinho comigo, sempre alegre.

De madrugada chegou a fisioterapeuta e eu pedi para ela me levar ao banheiro. Eu estava de fralda mas não conseguia fazer na fralda, aff! Ela me ajudou e depois caminhamos pela UTI duas vezes.

Voltei para minha cama e senti um pouco de enjôo, "vomitei mais duas vezes e dormi.
No outro dia de manhã acordei com a enfermeira me chamando para tomar banho. Que alegria! A dorzinha chata havia ido embora e tomei banho sozinha (só não consegui lavar os pés) e escovei os dentes.

Quando ela foi trocar os curativos, surpresa! O dreno sumiu. Ligaram para o cirurgião e de  tarde ele veio e pinçou o danadinho que estava escondido. 

E assim foi minha estadia na UTI, remédios, exames (éééé exames!), caminhadas, dormir e dormir. Depois de dois dias na UTI me deram alta para o quarto. 

O dia da cirugia


Dia 20 chegou e eu estava com medo. Levantei cedinho, tomei um banho bem gostoso, vesti roupas quentinhas (aqui estava uma manhã bem fria) e fui para o hospital. Estava com 12 horas de jejum total.  Cheguei ao hospital às 7h (minha cirurgia estava marcada para às 9h) e fui ao setor de internação entregar toda a papelada. Depois fiquei numa salinha de espera super linda, nem parecia hospital, esperando minha hora. Estava bastante nervosa. Quando a secretária do centro cirúrgico veio me buscar meu coração quase saiu pela boca.

Antes de entrar no centro cirúrgico vesti uma camisola e coloquei uma touquinha, dei um abraço na minha cunhada e comecei a chorar. Estava com medo do desconhecido, de tudo que tinha que enfrentar a partir dali. Entrei no centro cirúrgico chorando e a enfermeira tentou me tranquilizar. Levei algum tempo para parar de chorar. Realmente eu estava bastante assustada. 

Mas que lugar mais frio e feio este tal centro cirúrgico, caramba! Eu estava com dois cobertores e mesmo assim eu tremia tanto  que tiveram que trazer um aquecedor para mim. Eu não sabia se estava tremendo de frio, de medo ou dos dois. No meio do meu preparo, antes da anestesia, meu cirurgião veio falar comigo. Disse para eu ficar tranquila que tudo ia dar certo. A todo momento alguém da equipe me perguntava se eu estava bem.

O anestesista disse que havia chegado o momento e que eu ia começar a sentir um soninho. Foi um momento quase de alívio. Fiz uma prece, pedi à Deus para cuidar de mim, agradeci por tudo na minha vida, pensei em algumas pessoas e me senti um pouco mais calma.  Acho que em poucos segundos eu apaguei. 

Meia anti trombo

Quando falei com a secretária do cirurgião ela esqueceu de me dizer algumas coisas sobre a meia, só quando fui comprar é que descobri que são necessárias a marca (que o cirurgião preferir),  o tamanho (que é medido através de nosso tornozelo e panturrilha),  o comprimento e a compressão.

Elas são indicadas para a prevenção de trombose venosa e embolia pulmonar durante e após a cirurgia.  Elas não são muito baratinhas, custam entre 46 e 80 reais, depende da marca. Assim, que antes de comprar a sua pergunte a secretária ou ao cirurgião estes detalhes. 


Dieta branda e líquida pré-operatória


Os dias passaram rápido, faltava 7 dias para a cirurgia e eu deveria começar a dieta pré-operatória. Um dia antes de iniciar a dieta eu decidi comer o que eu mais gosto: pizza. Caramba! Como eu comi, comi tanta que depois deu até arrependimento. 

No dia seguinte iniciei a chamada dieta branda. Nela eu podia comer arroz, pães,  massas com molho coados, carnes magras, polenta, purê, gelatina, sucos coados ou concentrados. Dois dias depois dei início a dieta líquida e ela é sem resíduos, sem leite e derivados. Mas eu podia tomar chás claros, caldos de canja coada, caldo de sopa coado, gelatina (durinha, ainda bem), gatorade, água de coco, sucos concentrados ou sucos naturais coados. 

Foram cinco dias de dieta líquida, foram dias difíceis para mim. Me senti muito agoniada nos 3 primeiros dias. Nos dois últimos já comecei a me conformar. Tem hora que você enjoa de tanto líquido e quer mastigar. Neste ponto a gelatina ajuda um pouco. 
Os caldinhos, como são bem ralos, se não bem preparados não descem de jeito nenhum. Dão enjôo. A nutricionista já havia me falado que este cinco dias seriam bem difíceis, mas só quando passei por eles tive a real noção.  

A consulta com o anestesista


Eu não sabia que existia encontro prévio com o anestesista, mas quando fui a consulta entendi o motivo.  Ele te faz mil perguntas sobre alergias e doenças, anota tudo em uma guia e te orienta a levar no dia da cirurgia. É um cuidado muito necessário já que cada organismo tem suas debilidades específicas e necessita de atenção específica. 

O anestesista também te explica todo o processo da anestesia, os efeitos, os riscos, tudo. Tem até termo de ciência dos riscos. Perguntei bastante, tirei muitas dúvidas e saí de lá bem ciente de tudo que passaria comigo e de tudo que poderia me passar.

A resposta


9 dias úteis passaram quando recebi a notícia da autorização da cirurgia. Caramba! Minhas pernas tremiam. Agora eu tinha que dar mais dois passos: o primeiro era ligar para a secretária do cirurgia para ela agendar a cirurgia; o segundo era marcar uma consulta com o anestesista (não sei se todos os hospitais pedem este encontro).
Corri para o telefone e liguei para secretária. Mas ela não estaca e eu só poderia falar com ela no dia seguinte. Mas a outra atendente do consultório pediu meus dados e disse que ia passar para ela, e que ela me ligaria no outro dia. E assim foi, no outro dia ela me ligou e me informou a data da cirurgia 20/10/11. Novamente minhas pernas tremeram. 
Perguntei a ela se era necessário providenciar alguma coisa antes da cirurgia e ela informou que eu deveria comprar meias anti trombo e seguir as recomendações da nutricionista. 
Agora era só aguardar o dia, mas o medo começou a me atormentar durante as noites.

Todos os exames e laudos prontos


Com todos os exames e laudos prontos, voltei ao consultório do cirurgião para marcar a data. Como ia realizar a cirurgia por plano de saúde ele me deu todas as guias para eu entregar no setor de autorização de internação do hospital. 

Cheguei e o atendente me pediu todos os exames que fiz, os laudos, as guias dadas pelo médico, minha identidade e a carteirinha do convênio. Tirou cópia de tudo e abriu um processo administrativo para o pedido de autorização da cirurgia. Informou que o prazo médio (do meu convênio) para liberar este tipo de cirurgia era de 15 dias úteis e que quando ele soubesse da autorização me ligaria. Saí de lá com uma ansiedade enorme, 15 dias úteis de espera.

Seriam 15 dias de pura ansiedade, mas ao final, era necessário ter paciência e aguardar.

quinta-feira, setembro 29, 2011

Avaliação e laudo psicológico



Para algumas pessoas passar por entrevistas com um psicólogo é algo tranquilo, para  outras não. Eu fazia parte desta parcela de pessoas que se sentia extremamente incomodada com o fato de se submeter a uma avaliação psicológica. Era uma mescla de  medo de ser analisada e julgada com uma pitada de preconceito. 

Como já havia decidido fazer a cirurgia, marquei uma consulta com a psicológa da equipe do cirurgião. Confesso que que fui a este primeiro encontro um pouco receosa.

Mas logo na primeira sessão fui positivamente surpreendida, encontrei uma profissional totalmente diferente do que eu imaginava. Encontrei uma mão amiga, generosa, atenciosa que me ajudou de uma maneira que meu preconceito e ignorância nunca imaginariam. Com ela, nunca me senti analisada ou julgada, ao contrário, sempre me senti auxiliada e totalmente a vontade para falar tudo o que sentia em relação a minha obesidade. 

Hoje eu percebo o quanto que as sessões com a psicológa  foram importantes para mim. Nelas eu recebi orientações, tirei dúvidas, falei e fui escutada, me conscientizei definitivamente sobre os prós e contras da minha decisão e saí de lá muito mais segura.

Acredito que cada profissional tem uma maneira de realizar a avaliação, a minha foi feita através de entrevistas, questionário de histórico de vida, testes, observações, escutas, intervenções verbais, observação e registro dos hábitos alimentares. Aproveitei bastante as sessões.

As sessões tem o objetivo de obter a avaliação psicológica para a cirurgia, por isso acredito que é bastante importante procurar, de preferência, um profissional com experiência em transtornos alimentares (obesidade e cirurgia bariátrica), pois ele poderá te auxiliar muito melhor. 

A dica que deixo é: se na primeira sessão você não se sentir a vontade com o profissional, mude! Você necessitará do apoio de um bom profissional, e sem dúvida nenhuma é fundamental sentir simpatia, é necessário sentir-se confortável para falar, para ter confiança.

Aproveite as sessões, faça perguntas, diga o que sente, diga seus medos e expectativas e depois comprove você mesmo como estas sessões vão realmente fazer a diferença no seu processo pré e pós cirúrgico.

Tenho que usar CPAP, e agora?



Depois de fazer duas polissonografias e descobrir que tenho apnéia grave, meu pneumologista me recomendou o uso CPAP. Eu conheci este aparelho quando fui fazer a segunda polissonografia. Utilizando o ar ambiente ele faz uma pressão continua nas vias aéreas respiratórias de maneira que elas sempre ficam abertas, eliminando, assim, a apnéia.

Como a recomendação era utilizar somente por um mês, comprar não estava nos planos, o melhor seria alugar. Então comecei a buscar um lugar para alugar o aparelho. Fui a estas lojas que vendem produtos hospitalares, mas elas só vendem, não alugam.

Depois de um tempo procurando me indicaram uma a loja especializada. Aluguei um aparelho simples por um mês (R$ 150,00).  Mas as máscaras não podem ser alugada, devem ser compradas e ela sim são caras.  Consegui uma máscara mais em conta (R$ 150,00), todas as demais custavam entre R$300 e R$ 600, eu achei bem caras.  

Na loja mesmo elas ajustaram o aparelho na pressão adequada para mim, me ensinaram a utilizar o aparelho, a limpar os acessórios, tudo bem explicadinho. 

A noite, ajustei a máscara, liguei o aparelho e senti uma sensação estranha, um pouco incomoda de não poder dormir livremente. Mas de manhã já sentia diferente, não acordei cansada e não senti sono durante o dia.

Nas semanas seguintes me senti outra pessoa, muito mais disposta, descansada, sem sono diurno, sem a necessidade de dormir tantas horas,  e já nem me incomodava o fato de dormir com a máscara, me acostumei.

Se o seu médico te recomendou o uso do CPAP  não fique na dúvida, use! Não pense que é bobagem, use! Você vai sentir a diferença logo na primeira semana, e depois que você estiver adaptada ao uso da máscara vai se sentir melhor ainda. 

terça-feira, maio 31, 2011

Pequenas mudanças, grandes diferenças

Há um ano atrás eu estava passando por uma situação bem delicada. Não conseguia terminar a faculdade, vivia trancada em casa, isolada. Sentia uma tristeza tão profunda que que a única coisa que eu fazia na vida era dormir (e comer). Só quando minha vida realmente parou foi que notei que algo não estava bem.

Apesar de só ter notado tudo em 2010, desde 2005 as coisas já não estavam bem, eu só não tinha percebido. É difícil perceber.

Nesta época, comecei a buscar soluções e para a obesidade pensei na possibilidade de fazer gastroplastia.

Mas se era recomendada ou não só um médico poderia me responder. Então, foi o que fiz, busquei opinião médica.

Quando saí do consultório do cirurgião saí com uma decisão tomada e consciente que passaria por mudanças radicais que exigiriam um compromisso muito grande.

Meu pré-operatório durou 1 ano. Ao longo deste tempo, com o auxílio da psicóloga da equipe, comecei a colocar ordem na "casa". Terminei a faculdade, parei de me isolar, melhorei muito a tristeza que sentia e consegui fazer alterações na minha dieta. Foram pequenas mudanças mas que fizeram grande diferença para mim, pequenas conquistas que tenho certeza que foram muito importantes.

A cirurgia já está bem pertinho, e me sinto mais preparada e consciente da minha decisão. Colocar em ordem algumas “coisinhas” dá um trabalhão danado, demora um bocado, mas sem dúvida alguma, para mim, valeu muito a pena.

domingo, maio 29, 2011

Comida certa, na hora exata

Vi esta reportagem na revista Corpo a Corpo deste mês e achei bem legal. 

O que comer, quando e por que? Se no momento de responder a essas perguntas bate a dúvida, seus problemas acabaram. Acompanhe nossas dicas e acerte os ponteiros com a sua alimentação!

Quando o assunto é alimentação, nosso organismo funciona como um verdadeiro relógio. E para manter a saúde em dia e a silhueta sempre enxuta, é preciso respeitar com pontualidade e escolhas adequadas na hora de abastecê-lo. Não precisa franzir a testa de preocupação: a tarefa é mais simples do que parece. Que tal verificar a despensa e saber exatamente em que momento do dia consumir cada item? Pedimos a experts no assunto para indicarem alguns alimentos cujos benefícios são mais bem aproveitados se consumidos em horários determinados. Há opções para todos os gostos. As sugestões foram feitas com base nas seis refeições diárias recomendadas para um regime saudável, totalizando 1.600 calorias. Siga as dicas e comprove: dá, sim, para acertar os ponteiros com a sua alimentação. E o melhor: com a balança também!

das 7h às 8h

As escolhas matutinas devem conter nutrientes capazes de estimular o metabolismo e fornecer energia às atividades. O ideal é consumir por volta de 400 calorias.

Cereais integrais (aveia, granola, flocos de milho)
Fontes de carboidratos complexos, esses alimentos saciam e ainda garantem energia para a jornada que vem pela frente. Existem vários tipos e sabores, mas fique atenta aos cobertos de açúcar, que costumam ser mais calóricos e pobres nutricionalmente.

Mamão, ameixa e goiaba com casca
Fontes de fibras super bem-vindas para ajudar na digestão e no funcionamento intestinal. Essas frutas também ajudam a suprir as necessidades de vitaminas e minerais e adoçam o paladar de forma saudável.

Pão ou bolo integrais
Uma porção destes carboidratos mantém o cérebro em alerta - esse é o único órgão que depende desse nutriente para funcionar adequadamente. Outra vantagem: "Até o final de um dia cheio de atividades, você já queimou todas as calorias presentes nesses alimentos", diz Juliana Lucena, nutricionista do Espaço Orgânico BioGourmet (SP).

Café
A bebida ajuda a dar aquela acordada. Só não exagere na quantidade, pois ela contém cafeína, estimulante do sistema nervoso central que pode deixála mais ansiosa ao longo do dia. E você sabe: da ansiedade à compulsão é um pulinho. Uma xícara com adoçante é o suficiente para o start.

Iogurte com probióticos
Contém micro-organismos que regulam o intestino. Sua digestão é lenta e traz saciedade prolongada.

das 10h às 11h
Um lanchinho antes do almoço mantém o metabolismo ativo e impede que você chegue à mesa morrendo de fome. Cerca de 80 calorias já são suficientes.

Frutas vermelhas
Opções como cereja, romã, jabuticaba e mirtilo são consideradas reguladoras das funções do organismo. Fontes de fibras e vitaminas, ainda protegem a pele contra o envelhecimento precoce. Tudo isso, é claro, sem pesar!

Sucos diuréticos
Eles saciam, desintoxicam, hidratam, mandam o inchaço embora e, por serem ricos em fibras, ainda regulam o intestino. Prove uma mistura de água de coco, salsinha e framboesa. Outra opção é o tradicional abacaxi com hortelã.

Salada de frutas com quinoa
A dupla dinâmica vai acelerar seu metabolismo, evitar a produção excessiva de insulina (cujos picos levam à fome) e preencher seu estômago até o almoço.

Banana
A fruta tem a fama de ser engordativa, mas não é bem por aí. Se consumida com moderação e na hora certa, ela pode até auxiliar o emagrecimento. Como acelera o trânsito intestinal, a absorção de alguns nutrientes diminui, como é o caso da gordura e da glicose. Quando quiser dar uma variada, salpique canela, que tem efeito termogênico, e leve ao micro-ondas. Fica irresistível!

das 13h às 14h
Nesta refeição, mais completa, você pode consumir carboidratos, leguminosas, proteínas. Mas nada de exageros: fique em torno de 560 calorias e não sobrecarregue.

Vegetais em geral
Ajudam a controlar o nível de açúcar no sangue, suas fibras promovem saciedade e ajudam a eliminar mais facilmente as gorduras ingeridas.

Folhas verdes
Ricos em magnésio, o espinafre, a couve-manteiga, a rúcula, o agrião e a escarola evitam a compulsão por doces. Uma mão na roda para quem quer perder peso! Para completar, são fontes de folato, vitamina usada pelo cérebro para produzir o hormônio do bem-estar, a famosa serotonina.

Arroz integral
Por conter maior teor de fibras em comparação ao branco, mantém a saciedade por mais tempo e auxilia no bom funcionamento intestinal.

Feijão, soja, lentilha e grão-de-bico
Ajudam a reduzir a cinturinha. Isso graças às fibras solúveis e às proteínas, componentes que evitam os picos de insulina que fazem o corpo reter gordura, especialmente na região abdominal.

Carne
Vá de carnes magras, pois a gordura saturada dificulta a digestão. Frango, alcatra, patinho, pescada e atum são boas pedidas.

COMER PEQUENAS PORÇÕES, EM MÉDIA A CADA TRÊS HORAS, É UM DOS SEGREDOS PARA MANTER A QUEIMA DE CALORIAS A TODO O VAPOR.

das 16h às 17h
Para evitar que o organismo fique horas demais sem glicose e controlar a fome na refeição seguinte, opte por alimentos que possuam até 80 calorias para o lanche da tarde.

Oleaginosas
Um mix delas (2 castanhas-do-pará + 3 nozes + 2 macadâmias) significam gorduras benéficas ao organismo, como o ômega-3, e ajuda extra para reduzir a circunferência abdominal. "Isso sem contar que segura bem o apetite até o jantar", lembra Elaine de Pádua, nutricionista da clínica DNA Nutri (SP).

Frozen iogurte
Sem a cobertura, que é cheia de açúcares, é uma opção saudável e gostosa. Pobre em gordura e rico em cálcio, ou seja, bom para a forma física e para os ossos.

Pera
Riquíssima em água e fibras e com poucas calorias, aumenta a sensação de saciedade, ajuda a regular o intestino, tem potássio e auxilia na redução da pressão arterial. Nutrientes na medida exata para essa altura do dia.

Água de coco
Um copo engana bem a fome, sem contar as baixíssimas calorias e o potássio, que ajuda a evitar as cãibras. É tomar e preparar o corpo para se jogar na malhação, sem contratempos!

das 19h às 20h
Neste período, a ideia é facilitar a digestão, já que o metabolismo torna-se mais lento. A pedida são os alimentos mais leves, consumidos pelo menos três horas antes de dormir. Cerca de 400 calorias são ideais.

Brócolis no vapor
Com baixo teor calórico e alto valor nutritivo, contém triptofano, que vai atuar no organismo e melhorar o astral no dia seguinte.

Omelete
Superleves, as proteínas do ovo promovem saciedade. A substância colina deixa unhas e cabelos mais saudáveis. E dá para enriquecer o prato com vegetais e frios.

Outras proteínas
As preparações assadas ou cozidas são bem-vindas, por serem mais levinhas. Uma porção de carne de panela, frango assado com alecrim, pescado no forno ou salmão gratinado com ervas acompanha bem uma salada colorida.

Sanduíche de frios
Peito de peru ou blanquet de frango + pão integral + alface + tomate combinam leveza e poucas calorias para facilitar a digestão.

das 22h às 23h
A ceia possibilita a manutenção dos níveis glicêmicos durante o período de sono, quando não comemos nada. Para não errar a mão, foque nos alimentos com cerca de 80 calorias.

Frutas secas
Damasco, ameixa e uva são ótimos para dar um último pico de energia e controlar a fome sem prejudicar o sono. Modere na quantidade: seis unidades estão de bom tamanho.

Abacate
Acredite: duas colheres de abacate são excelentes para relaxar o corpo. Por ser rica em beta-sitosterol, a fruta ainda regula o colesterol. Só não exceda a dose, porque pode pesar e causar o efeito contrário.

Iogurte desnatado
Com baixo teor de gordura, não pesa no estômago e, portanto, não faz você ficar revirando na cama, em busca do sono perdido. Pode tomar sem receio!

sexta-feira, maio 20, 2011

A motivação que vem de dentro

A motivação é o segredo do entusiasmo. É o aditivo que faz da vontade uma força que não se deixa intimidar.

A falta de motivação tem sido a causa de talentos que se perdem, diamantes que permanecem no fundo da terra, em estado bruto, privando o mundo do seu esplendor.

Uma pessoa motivada não abre espaço para pensamentos de derrota, não se deixa desanimar pelo pessimismo, nem se influenciar pelo que os outros pensam. Sabe que algo só é impossível até que alguém o torne possível.

A pessoa motivada não se detém diante das dificuldades. Por isso, responde de uma forma completamente diferente a uma situação de stress do que outra, desmotivada.

Situações adversas são encaradas como temporárias e estimulam a pessoa motivada a encontrar respostas aos desafios que surgem.

É a motivação que permite que alguém trabalhe ho ras a fio sem sentir cansaço, que faz com que o atleta persista no treinamento mesmo com os pés feridos. É o que leva uma pessoa a superar seus limites obstinadamente, como se estivesse sob o efeito de uma substância poderosa e irresistível, transformando o processo de conquistar um objetivo numa aventura maravilhosa.

Em contrapartida, alguém desanimado e descrente do próprio poder pode ter uma noção do seu potencial, mas não encontra forças para fazer algo dele.

O segredo da determinação.

Depois de escolher um objetivo e tomar a decisão de entrar em movimento para alcançá-lo, você precisará de determinação para seguir adiante.

Uma vez que tenha definido o que deseja, ninguém mais, sem o seu consentimento, terá poder para afastá-lo da sua meta. Mas, a não ser que esteja determinado a ultrapassar obstáculos, superar dificuldades e prosseguir,correrá o risco de desistir na primeira curva do caminho.

Precisará ter um propósito forte o bastante para manter a determinação de chegar lá, mesmo qua! ndo as c ondições se tornam adversas. Isso o ajudará a manter um estado físico e emocional favorável às ações que precisa tomar.

A determinação está ligada à motivação e à perseverança de manter o objetivo em mente até conquistá-lo. Sem desistir, caminhando passo a passo, com foco no alvo desejado é ter perseverança.

Não importa o que as outras pessoas façam ou não, você não depende de estímulos externos para se manter motivado.
Ainda que alguém não cumpra compromissos com os quais você contava para seguir adiante, mesmo que pessoas lhe neguem apoio, que as circunstâncias mudem, ou se tornem hostis aos seus planos, busque a motivação para continuar dentro de você e conseguirá alcançar seu objetivo.

A motivação é um estado interno que filtra os acontecimentos e faz com que tudo seja transformado em estímulo para seguir na direção desejada.

Mantendo a motivação em alta: o entusiasmo que vem do coração.

O cientista que persegue em sua pes quisa até descobrir o que procurava, participa da evolução da ciência. O artista que não desiste até encontrar a nota perfeita que transforma em música, alcança o estado da arte. O empreendedor que supera todas as dificuldades até fazer do seu sonho uma realidade, impulsiona o progresso econômico e gera empregos.

Embora seja bom receber apoio, a sua força está na própria capacidade de se auto-motivar.

Quem espera estímulo externo para se motivar se coloca numa posição de dependência que enfraquece a vontade. Não importa o que os outros digam, a não ser que o entusiasmo nasça no coração e seja uma expressão da energia interior, a motivação poderá cair no chão a qualquer momento.

A diferença entre buscar no mundo força para seguir em busca do seu objetivo, e produzir internamente a motivação é a diferença entre precisar buscar água no rio cada vez que se tem sede e ter uma fonte no próprio terreno com um sistema que traz essa água através de torneiras em d iversos cômodos da casa.

Andar em boa companhia.
Aquele que desiste antes de conseguir, em geral, mantém a mente nas dificuldades e dá lugar ao medo e permitindo que outras pessoas ou circunstâncias o desanimem.

Pessoas que aprendem a se auto- motivar não andam em companhia de gente derrotista. Mantém-se afastadas dos que têm o hábito de se lamentar e culpar o mundo pelo que não deu certo em suas vidas.

A pessoa auto- motivada se visualiza vencendo, mesmo diante das derrotas temporárias, e termina por vencer no final.

Em vez de dar ouvidos aqueles que vêem dificuldade em tudo, buscam exemplos de pessoas que superaram limites e realizaram seus projetos. Escolhem com cuidado aquilo o que permitem entrar em sua mente. De leituras a programas de tv. Recusam-se a ouvir conversas negativas e não permitem que sua mente se detenha em comentários pessimistas ou maldosos.

Quem sabe se motivar mantém a energia elevada e constrói a sua fórmula de sucesso: única, pessoal e intransferível.

Jael Coaracy