sábado, setembro 04, 2010

Que peso é esse que carregamos?


Resolvi falar da dor que não se cala, pois apesar de não conseguir falar, meu corpo carrega o peso, esse íntimo companheiro que não sei expressar.

É necessário aprendermos que não podemos carregar esses pesos emocionais, pois eles se instalam no corpo dilacerando nossa auto-estima, denunciando nossos erros e nossos fracassos.

Aprender que o não, existe para dizê-lo, não somente como um advérbio que enfeita as páginas do dicionário. Temos que aprender a falar o não posso, não quero, dando o seu sentido real, quando não podemos mais suportar carregar um peso temos sim que expressar um não. Perdemos a possibilidade da comunicação, não com o outro somente, mas principalmente consigo mesma.
A dor sinaliza o que não está bem, mas as travas e mordaças que criamos nos forçam a engolir agressões, perdas e sonhos, e nesse processo onde perdemos nosso porto seguro, na esperança de algo que nos alivie, que nos traga pelo menos por alguns minutos a doce sensação de satisfação, de colo, de aconchego, partimos desesperados a procura desse alento, sem pensar: “comida.”

É preciso colocar para fora, vomitar esses produtos indigestos que se acumulam dentro de si, deixando-a engasgada, nauseada e que por falta de opção, funde ao seu corpo, deixando pesado, lento e incomodado.
O tempo todo precisamos fazer escolhas, rever decisões, desde as mais simples até as mais complexas, projetando assim o futuro que realmente queremos alcançar.

Você é o sujeito dessa história, responsável por carregar ou não essas pendências. A você deve explicações, respostas e justificativas. Pensar que a vida poderia ser diferente, desejar realmente que as coisas se transformem, isso tudo somente é possível quando se assume que pode mudar seus comportamentos, pensamentos, pois só desejar… aí minha cara amiga, você vai sentir-se cada vez mais pesada.

Psicóloga Luciana Kotaka
CRP – 08/06502-1
Especialista em Obesidade eTranstornos Alimentares
Curitiba – PR
http://blog.comportamentomagro.com.br 

Um comentário:

  1. Tem a letra de uma música, que ganhou um festival de canção, descreve a dor de uma maneira política:


    "A dor da gente é dor de menino acanhado
    Menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar

    Que salta aos olhos igual a um gemido calado
    A sombra do mal-assombrado é a dor de nem poder chorar...

    Moinho de homens que nem girimuns amassados
    Mansos meninos domados, massa de medos iguais

    Amassando a massa a mão que amassa a comida
    Esculpe, modela e castiga a massa dos homens normais..."

    Uma dor política pelo que acontece no decorrer dos anos, forja-se pessoas a ser o que querem que elas sejam, seres padronizados, mercados consumistas.

    ResponderExcluir