domingo, abril 01, 2012

Recomeçando


"Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais
Porque me entendo muito mais também
E que a atitude de recomeçar é todo dia, toda hora
É se respeitar na sua força e fé
E se olhar bem fundo até o dedão do pé.
"
Gonzaguinha - Eu apenas queria que você soubesse

Passar pela experiência da obesidade deixou em mim marcas bastante profundas. Algumas o tempo vai apagando devagarinho, outras não. Tem pessoa que é gordinha e vive feliz da vida, eu não era assim. Se bem que nem posso dizer que era gordinha, era obesa mesmo, e isso me trazia muitos problemas e eu definitivamente não sabia lidar com a situação.

Aos poucos as limitações que sofria por ser obesa foram me deprimindo de maneira tão intensa que eu não quis mais viver e passei a me isolar. Sofria, sofria muito. Sentia uma profunda frustração por nunca conseguir me controlar e não poder solucionar o problema. Sentia que vivia, literalmente, só para comer (estou falando isso sem exageros) e reencontrar velhos amigos e/ou parentes para mim era uma tortura. Eu fazia qualquer coisa para não revê-los, porque quando os encontrava tinha a nítida impressão de que todos eles estavam vivendo suas vidas e eu só.. comendo. Nestes momentos me sentia a pior pessoa do mundo, a pessoa mais pequena, a mais fraca e também a mais inútil da face da Terra. Todos estavam concretizando seus projetos, trabalhando, namorando, casando, tendo seus filhos, viajando, estudando, todos estavam, de alguma maneira vivendo e eu trancada em casa... comendo. 

E eu me sentia mal, me sentia tão frustrada, me sentia tão culpada, sentia tanta raiva de mim mesmo. Sentia raiva porque a vida sempre foi muito generosa comigo, me deu uma família maravilhosa, me deu tantas coisas, tantas oportunidades que eu não  aproveitava. E quando eu via tudo isso eu me perguntava  porque eu agia desta maneira e não entendia porque era tão fraca. E sentia mais frustração e raiva. E então ia desafogar tudo isso comendo. E quando comia me sentia momentaneamente aliviada. Mas depois eu tinha que enfrentar a realidade, olhar minha vida (que já não era vida) e contastava que comer era meu melhor e também meu pior prazer. E assim, ano após ano vivi presa neste circulo vicioso, que me consumia dia-a-dia. Sentia tristeza porque comia e comia  porque sentia tristeza.

A cirurgia me ajudou a recomeçar, ela está promovendo um reencontro comigo mesma. As poucos vou me reencontrando, me redescobrindo. Aos poucos estou voltando a viver. Já não me isolado e tenho prazer em viver. As vezes sinto que a danada da tristeza ainda está aqui comigo, mas já procurei ajuda para entender e quem sabe solucionar isso. Hoje me sinto tão diferente, a raiva foi embora, a frustração também. É como se um peso enorme tivesse sido tirado de cima de mim (sem trocadilhos, rsrsrs). 

A cirurgia mudou minha vida? Sinceramente e definitivamente sim, ela me mudou e de alguma maneira me salvou de uma vida muito medíocre. Se a cirurgia solucionou todos meus problemas? Não, longe disso, eu tenho meus problemas ainda. Mas a cirurgia fez algo maravilhoso por mim, quebrou o circulo vicioso, me deu a oportunidade de recomeçar e hoje eu já não vivo mais o pesadelo de viver para comer.

 A relação que hoje tenho com a comida é diferente, graças à Deus é diferente. Não é uma relação harmoniosa, não mesmo. Eu simplesmente fiquei com medo de comer, ficou marcado isso em mim, medo da comida, medo de despertar esse monstro que dorme dentro de mim e que me fazia tanto mal. A relação hoje que tenho com a comida é de respeito e medo. Hoje aprendi a dizer não à comida. Também aprendi a não querer "comer" minhas emoções e sentimentos. Se estou passando por problemas que me angustiam eu simplesmente os vivo, choro o que tenho de chorar, sofro o que te de sofrer e depois levando sacudo a poeira e sigo meu caminho.

Hoje quando me olho no espelho não vejo uma miss, longe disso, ainda tenho um caminho longo para trilhar, mas o que vejo me deixa feliz, não necessito ser uma miss para me sentir feliz comigo mesma. E o que mais me deixa contente é que estou cheia de sonhos novamente, mas mais que sonhos estou cheia de vontade de concretizá-los e sei que vou realizá-los.  

A cirurgia me ajudou muito, muito, muito. Me ajudou a enxergar tantas coisas, me ajudou a ver que não preciso ser sempre forte, tenho o direito de cair, mas tenho dever de me levantar. Também me mostrou que, gorda ou magra, eu sempre serei a Raquel, mas isso é tema para outro post.

17 comentários:

  1. Adorei o post!
    Acho que você conseguiu expressar sofrimentos que a maioria de nós, passamos...
    Não sei qual é o seu caso, mas eu, por nunca ter sido magra (mamãe diz que até os 3 anos estive dentro dos padrões, estou com 27!!!), não sofro tanto ao reencontrar as pessoas...
    As vezes, elas nem percebem que engordei ou emagreci umas gramas, pois sempre tiveram a visão de mim obesa!
    Assim como você, me falta muito, mas nesse final de semana, cheguei aos 20kg naufragados, e isso me trás muita alegria, pois com apenas isso, tudo na minha vida mudou.
    Desejo Raq, da maneira mais profunda, que a cada dia, você possa se redescobrir, e principalmente, criar caminhos para recuperar todo esse tempo perdido, em busca da sua felicidade!

    Beijooo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jói, obrigada, por suas palavras, de coração obrigada. Beijo.

      Excluir
  2. Olá Raquel achei seu blogue através da Ju no caminnho das Borboletas, e adorei seu post relata momentos que vivo hoje(ainda não operei) e também momentos que almejo alcançar. Estou te seguindo e vou te linkar ok!Bjk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daia! Visitei o seu e te linkei também. Obrigada pela visita. Beijo.

      Excluir
  3. nossa flor! tuas palavras sairam como gritos do meu socorro e tudo que eu penso e sinto.obrigado por te comentado no meu blogue adorei tua visita

    ResponderExcluir
  4. Nossa que post lindo, e como deixamos as coisas pra traz por causa de uma compulsão, né?! Me identifiquei muito com este post. Beijos

    ResponderExcluir
  5. Nossa amiga profundo seu comentario!!! mais diz o que boa parte de nós sentimos e já passamos na vida!!!

    ResponderExcluir
  6. é eu estou a caminho. obrigado pela motivaçao. abraços lamarque

    ResponderExcluir
  7. É verdade Raquel, você descreveu com muita sensibilidade o que a maioria de nós obesos sofremos, nos trancafiamos e nos escondemos atrás da gordura, usamos como bengala a comida e a cirurgia nos dá SIMMM UMA OPORTUNIDADE DE RE-COMEÇAR sendo AUTORES E ATORES PRINCIPAIS DESSA PEÇA QUE É A VIDA, deixamos de ser meros expectadores e coadjuvantes e passamos ser o PRINCIPAL, nova VIDA, com problemas sim, mas sabendo ter FOCO NA SOLUÇÃO sem nos apoiarmos nessa bengala de comer...ADOREI SEU POST...Beijocas grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Kênia, agora estou pronto para ser a dona da minha história. Um beijo.

      Excluir
  8. adorei a frase do começo, ela resume bem o que é a nossa vida depois da experiência da obesidade. bj

    ResponderExcluir
  9. Mensagem profunda, não sabia que vc sofria tanto. Graças a Deus esta situação está mudando. Espero que sempre veja em mim mais que uma amiga, uma irmã que é isso que a considero. Que Deus sempre te guie raquelzite bjos...

    ResponderExcluir